sábado, 27 de novembro de 2010

Guerra no Rio de Janeiro - BOPE ocupa a Vila Cruzeiro

Nem o Cristo aguenta mais!!!

Vida à todos.

O Cristo Redentor está decolando do Rio de Janeiro por causa da guerra entre os traficantes ou guerra entre a polícia e os traficantes.

Jesus, proteja esses herois que arriscam a vida para proteger a sociedade por um salário de fome. Os governantes deveriam tomar vergonha na cara e mudar isso. Pagar um salário digno à esses homens.

Será que só a Morte será a solução. Esperamos que não.


Quem Manda?

Esses aqui.

Esses aqui. Ou será que vamos ter andar assim?

Bandidos chegam ao Complexo do Alemão (Guerra civil no Rio de Janeiro)

Tem mais bandido do que gente!!!

Traficantes do Alemão atacam policiais

Medo

BOPE - Morro dos Macacos

Guerra do tráfico no Rio de Janeiro

Agora serão 10.000 contra 600 bandidos. Será que eles aguentam? Vamos torcer para a Policia vencer esta Guerra e que não deixe que um dia esses bandidos voltem a dominar as cidades Barsileiras.

Violência no Rio já fez 44 mortos

CIDADE BRASILEIRA EM GUERRA CIVIL
06:47sábado, 27 novembro de 2010

Ao sexto dia de confrontos entre a polícia e os criminosos no Rio de Janeiro, no Brasil, já morreram 44 pessoas, de acordo com a imprensa daquele país. O jornal “A Folha de São Paulo” refere que 89 veículos já foram incendiados numa onda de violência que parece não ter fim na cidade carioca.

A operação policial foi ontem reforçada com o apoio das Forças Armadas, nomeadamente 800 homens do Exército, cuja missão é proteger os perímetros das áreas que vão sendo ocupadas pelas autoridades. Dois helicópteros e 10 veículos blindados foram disponibilizados nesta guerra civil, em que os polícias do Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) ganharam ontem terreno ao ocuparem Vila Cruzeiro, área onde se situam as favelas do Morro do Alemão. Uma ocupação celebrada pela polícia.

Guerra no Rio de Janeiro 25/11/2010

Tanques de Guerra

Guerra o Morro

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Bandidos atiram contra helicóptero da Polícia (GUERRA AO TERROR)

Tiroteio assustou quem passava pela rua Paranapenema, em Olaria

Do R7 26/11/2010 às 11h33
...Intenso tiroteio entre policiais e traficantes do complexo do Alemão assusta quem passa pela rua Paranapanema, em Olaria, na zona norte do Rio, nesta sexta-feira (26). Um helicóptero da Polícia Civil sobrevoou a favela e os criminosos atiraram contra a aeronave. Os agentes revidaram.

Muitas pessoas que passam pela região tentam se esconder atrás de um dos blindados da Marinha, usados na operação.

Madrugada de terror

O Rio viveu mais uma madrugada de terror, causada por bandidos que incendiaram carros e ônibus em diversos pontos do Estado. De meia-noite até as 6h15 desta sexta-feira, sete carros e um ônibus foram atacados e um homem que se preparava para atear fogo em veículos em Madureira, na zona norte, foi ferido e levado para um hospital. Foi a quinta madrugada seguida de terror no Estado.

Pouco antes do amanhecer, três carros foram queimados em Campos dos Goytacases, no Norte fluminense, em Nilópolis e em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Segundo os bombeiros, ninguém ficou ferido nos ataques.

Por volta das 5h30, um ônibus foi incendiado na rodovia Presidente Dutra, na altura do Km 164, no Jardim América. Segundo a Polícia Militar, o coletivo estava circulando na pista lateral da rodovia, sentido São Paulo. Não há informações sobre feridos.

Mais cedo, bombeiros do Quartel de São Gonçalo, na região metropolitana do Rio de Janeiro, foram chamados para controlar as chamas em uma Kombi no bairro Colubandê. Segundo a polícia, criminosos incendiaram o veículo, que estava estacionado na rua Joá. Ninguém ficou ferido.

Por volta das 2h30, um carro foi incendiado na rua Farme de Amoedo, uma das mais movimentadas de Ipanema, na zona sul do Rio de Janeiro. Bombeiros do Quartel de Copacabana foram para o local e conseguiram controlar as chamas. A Polícia Militar fez buscas no bairro à procura dos autores do crime. Segundo os Bombeiros, o carro ficou parcialmente destruído e ninguém ficou ferido.

Já por volta de 1h, mais um veículo foi incendiado na Baixada Fluminense. Segundo a Polícia Militar, o carro foi atacado por bandidos na rua José Veríssimo, em Duque de Caxias.

Também no início da madrugada, o Corpo de Bombeiros confirmou que um carro foi incendiado na avenida Brasil, na altura do mercado São Sebastião, na Penha, na zona norte da capital. Não há informações sobre vítimas em nenhum dos dois ataques.

Noite de quinta também registrou ataques

Bandidos armados incendiaram dois carros nesta quinta-feira (25) na estrada Grajaú-Jacarepaguá, na pista em direção à zona oeste. Os dois sentidos da via foram fechados para os motoristas que trafegavam naquela região. Ninguém ficou ferido. De acordo com o 6º BPM (Tijuca), policiais militares fazem buscas nas favelas da região na tentativa de encontrar os autores do ataque.

Três ônibus também foram incendiados nesta noite. Um foi atacado na avenida Presidente Vargas, no Centro. Os outros ataques foram em São Cristóvão, na zona norte do Rio de Janeiro e em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

Um dos coletivos foi atacado em frente ao prédio do Detran, na avenida Presidente Vargas. A PM recebeu informações de que outro ônibus tinha sido queimado no largo da Carioca, no mesmo bairro, mas a denúncia não foi confirmada.

O outro veículo foi incendiado na rua General Almério de Moura, em São Cristóvão, em frente ao estádio do Clube de Regatas Vasco da Gama.

Um microônibus foi atacado na rodovia Washington Luís, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, nas proximidades da favela Beira-Mar, por volta das 20h30.

Segundo testemunhas, um Gol prata interceptou o coletivo. Os ocupantes do carro mandaram os passageiros descerem e atearam fogo no ônibus. O ataque ocorreu na pista lateral, sentido Juiz de Fora.

No Jardim América, também na zona norte da capital, um caminhão foi incendiado na rua Jornalista Geraldo Rocha. Outro caminhão foi queimado na rua Lopo Diniz, em Irajá, na mesma região.

Coletiva Secretário de Segurança

De acordo com o secretário estadual de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, o governo não tem previsão para instalar uma UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) na Vila Cruzeiro, onde a polícia conseguiu entrar nesta quinta-feira após três dias de conflitos na área.

Beltrame também disse que as ações no complexo de favelas da Penha continuam nesta sexta-feira (26). Segundo ele, criminosos detidos em presídios enviam mensagens para todo o Estado por meio de bandidos da Vila Cruzeiro. Além disso, o secretário disse que o helicóptero blindado da PM, que poderia auxiliar as ações desta quinta, estava em manutenção.

De acordo com o balanço divulgado pela Polícia Militar do Rio de Janeiro na noite desta quinta-feira (25), desde a última segunda-feira (22), 32 pessoas morreram em operações para prender suspeitos de participar dos ataques que ocorrem na região metropolitana fluminense.

Balanço da PM

A corporação informou que entre domingo (21) e as 21h desta quinta 73 veículos foram incendiados, sendo 32 só hoje. Desde segunda-feira, foram 12 ônibus, dois caminhões, duas motocicletas e duas vans.

A PM disse que 108 pessoas foram presas ou detidas, 44 armas foram recolhidas, seis granadas foram apreendidas. Três policiais ficaram feridos.

Quinto dia dos ataques

Nesta quinta-feira (25), a Polícia Militar concentrou a operação na Vila Cruzeiro, na Penha, zona norte da cidade. A ação foi liderada pelo Bope (Batalhão de Operações Especiais) com o apoio da Marinha do Brasil, com nove blindados.

Durante a operação, um dos blindados foi atingido por tiros e foi levado para o batalhão de Olaria (16ª BPM). Por volta das 15h, vários bandidos fugiram da Vila Cruzeiro em direção ao Complexo do Alemão.

Em vários bairros da cidade o comércio fechou cedo. Muitas empresas liberaram os funcionários antes do horário, pois o transporte de ônibus está reduzido durante a noite. Os colégios não funcionaram.

A Secretaria Estadual de Saúde informou que reforçou o atendimento na emergência do hospital Getúlio Vargas, na Penha. Médicos foram deslocados para a unidade para atender os feridos da operação na Vila Cruzeiro.

Avaliação dos especialistas

De acordo com especialistas, os ataques no Rio de Janeiro são coordenados e estavam previstos para acontecer. Segundo o sociólogo e especialista em violência Gláucio Soares, do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Iesp/UERJ), a reação das organizações criminosas ligadas ao tráfico de drogas, que vêm promovendo uma onda de ataques incendiando veículos no Rio de Janeiro, já era esperada depois que o governo estadual começou a ocupar comunidades em que esses grupos atuavam, com a implantação das UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora).

Rio em Guerra

PM e Marinha invadem Vila Cruzeiro e bandidos fogem para o Alemão
Rio+ 25/11/2010 14h32

Pela primeira vez na história, tanques de guerra e fuzileiros navais atuam nas ruas do Rio de Janeiro para combater a onda de violência e ataques que assolam a população. A ação teve início na manhã desta quinta e fez com que o comércio e escolas da região fechassem as portas. Logo depois da operação na favela Vila Cruzeiro, o subchefe operacional da Polícia Civil, delegado Rodrigo Oliveira, afirmou que comunidade "pertence hoje ao Estado" e que a polícia ocupará a comunidade por tempo indeterminado.


Em fila, bandidos fogem caminhando tranquilamente sem serem incomodados

Os militares estão equipados com metralhadoras ".50" e houve confronto no local. Policiais do Bope entraram na favela pela Avenida Nossa Senhora da Penha. Muitas barricadas, com pneus, caminhões, caçambas de lixo e chamas, foram montadas pelos traficantes para impedir a passagem da polícia, mas não foi suficiente. Os tanques conseguiram passar e acessar as ruas da comunidade.

No meio da tarde, bandidos da Vila Cruzeiro correram para o Complexo do Alemão. Alguns criminosos foram atingidos. Durante as imagens exibidas, nenhum policial apareceu na área.

A maioria dos ônibus não está circulando na Vila Cruzeiro. Segundo a Fetranspor, a viação Nossa Senhora de Lourdes está com quase todos seus coletivos dentro da garagem, que fica próxima à favela.



Comandante-Geral da PM: 'Há clima de felicidade na população'

Em entrevista concedida após a entrada de policiais na Vila Cruzeiro, o comandante-geral da Polícia Militar, Mario Sérgio Duarte, disse que "há clima de felicidade na população". Segundo ele, a conclusão foi tirada a partir de manifestações de pessoas que a polícia encontrou na chegada à comunidade. "Já é possivel ver uma satisfação muito grande pelo trabalho feito nesta tarde", afirmou.

No início da tarde, fontes do governo anunciaram que iriam tratar com prioridade a implantação de UPPs na Vila Cruzeiro e no Complexo do Alemão, no subúrbio do Rio. No entanto, a notícia foi desmentida pela Secretaria de Segurança na entrevista. As UPPs nessas comunidades devem ser instaladas após a "guerra".

Exército e Aeronáutica entram na guerra do Rio

Exército e Aeronáutica entram na guerra do Rio
26 de novembro de 2010 7h 31
Agência Estado
Depois de cinco dias de confrontos no Rio, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva enviou 800 homens do Exército para a cidade, além de mobilizar Aeronáutica e Polícia Federal. Ontem, em operação policial sem precedentes, já com apoio de blindados da Marinha, a polícia ocupou a Vila Cruzeiro, no Complexo da Penha (zona norte do Rio), após 40 horas de intenso tiroteio.

"Não é humanamente possível que 99% das pessoas sejam molestadas por gente que está na marginalidade. Portanto, o Rio pode ficar 100% tranquilo que o governo dará ajuda", disse Lula em Georgetown, capital da Guiana. Segundo ele, um pedido formal de auxílio para uma Operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) foi feito anteontem pelo governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB).

O Exército vai garantir a proteção dos perímetros das áreas ocupadas por policiais. Já a Aeronáutica vai enviar dois helicópteros. Ainda serão mandados mais dez blindados das Forças Armadas, além de equipamentos de comunicação e óculos de visão noturna. Pela primeira vez na história, homens da Polícia Federal, pelo menos 300, atuarão no Estado já a partir de hoje.

Pelo menos 35 pessoas já morreram no Rio desde domingo. O número não inclui os mortos de ontem na Vila Cruzeiro, quartel-general do Comando Vermelho - o total não foi revelado pelo governo. Ontem, os ataques continuaram e se espalharam pela cidade, atingindo até o Túnel Rebouças, que liga as zonas norte e sul. Nos cinco dias, pelo menos 61 veículos já foram incendiados. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

PM do Rio confirma mais um ataque na madrugada desta sexta

Um carro foi incendiado em Mesquita, na Baixada Fluminense.
Madrugada teve mais quatro ataques no Rio e Região Metropolitana.
Do G1 RJ

Policiais do 20º BPM (Mesquita) confirmaram mais um ataque a veículo ocorrido na madrugada desta sexta-feira (26). De acordo com os policiais, um Siena foi incendiado na Rua João Bittencourt, em Edson Passos, em Mesquita, na Baixada Fluminense. A PM informou ainda que o ataque ocorreu fora da comunidade da Chatuba. Com este carro incendiado, foram cinco ataques registrados durante a madrugada.

Quando a PM chegou ao local, bombeiros já tinham apagado o fogo. Não houve registro de vítimas.


A internauta Alexandra R. flagrou o carro incendiado em Mesquita (Foto: Alexandra R./ Vc no G1)

Onde foram os outros 4 ataques
Após mais um dia de operações em favelas, outros quatro ataques foram registrados na madrugada desta sexta em diferentes pontos do estado no sexto dia de violência no Rio. As ações criminosas assustaram moradores e mudaram a rotina da cidade. Na noite de quinta-feira (25), o Ministério da Defesa informou, que, a pedido do governo do Rio de Janeiro, serão enviados 800 militares do Exército para auxiliar a polícia local no combate à onda de violência na capital do estado e em cidades vizinhas.

Um ônibus foi incendiado no fim da madrugada desta sexta-feira (26) na Rodovia Presidente Dutra, na altura de Jardim América, no subúrbio do Rio de Janeiro. As informações foram confirmadas pelo Corpo de Bombeiros e pela Nova Dutra, concessionária responsável pela rodovia. Ainda não há informações sobre feridos.

Por volta de 1h desta sexta, policiais do 7º BPM (São Gonçalo) encontraram uma kombi incendiada no bairro do Colubandê, em São Gonçalo, na Região Metropolitana. Bombeiros do quartel do município controlaram as chamas rapidamente. Já na Zona Sul, criminosos atearam fogo num carro na Rua Farme de Amoedo, em Ipanema. Dois menores foram detidos. Em ambos os casos, de acordo com o Corpo de Bombeiros, ninguém ficou ferido.

Na Avenida Brasil, um automóvel também foi incendiado nesta madrugada, na altura da Penha, na Zona Norte. As informações foram confirmadas pelo Batalhão de Operação em Vias Especiais (BPVE). Segundo a Polícia Militar, o carro foi encontrado em chamas na pista lateral, próximo à Favela Furkin Mendes. Ninguém ficou ferido.

Ainda de acordo com a polícia, o carro teria sido roubado no dia 26 de outubro deste ano, na região de Jacarepaguá, na Zona Oeste. A polícia informou que os suspeitos fugiram em outro veículo após o crime. O Corpo de Bombeiros também foi acionado para o local. O trânsito seguiu normalmente.

Mais cedo, um suspeito foi baleado e morreu ao tentar atear fogo num veículo na Rua Carolina Machado, perto do Madureira Shopping, no subúrbio do Rio. Segundo policiais do 41º BPM (Irajá), junto com ele estavam outros três comparsas, que conseguiram fugir.

Com o suspeito foram encontrados um isqueiro, um galão de gasolina, uma granada e uma pistola. O caso foi encaminhado à 28ª DP (Campinho).

Ônibus incendiado no Centro
A ousadia dos criminosos chegou a uma das vias mais movimentadas do Centro do Rio, a Avenida Presidente Vargas. Na noite desta quinta-feira (25), um ônibus da linha 154 (Central-Ipanema) foi incendiado na esquina com a Avenida Passos. Ninguém ficou ferido. A informação foi confirmada pelo 13º BPM (Praça Tiradentes) e pela Polícia Militar.


Ônibus da linha 154 (Central-Ipanema) foi incendiado perto da Avenida Passos (Foto: Rodrigo Vianna / G1)
Funcionários da empresa de ônibus disseram que o veículo tinha acabado de sair da Central do Brasil quando foi surpreendido pelos criminosos. Após o ataque, quatro suspeitos foram detidos. Segundo a PM, dois deles aparentam ser menores de idade. Um dos detidos alegou que não participou do incêndio. O caso foi registrado na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA).

Trecho interditado na Avenida Presidente Vargas
Um trecho da pista central da Avenida Presidente Vargas, na altura do Campo de Santana, foi interditada para o trabalho dos bombeiros, que fizeram o rescaldo das chamas. O incêndio aconteceu no sentido Candelária, por volta das 20h.

Mais ataques na noite de quinta
Outros ataques foram registrados depois das 21h: um ônibus em São Cristóvão, na Zona Norte; ônibus na Rodovia Washigton Luís, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense; dois carros na Autoestrada Grajaú-Jacarepaguá, na Tijuca, na Zona Norte da cidade; um carro no bairro Peixoto, em Copacabana, Zona Sul; um caminhão no Jardim América, no subúrbio; e um carro em Cabo Frio, na Região dos Lagos; um ônibus em Duque de Caxias; um carro em Piedade; e um carro em Honório Gurgel, ambos no subúrbio.

Balanço da PM até as 20h
O último balanço da Polícia Millitar, divulgado às 20h pelo relações públicas da corporação, tenente-coronel Lima Castro, informa que, em quatro dias, 72 veículos foram alvo dos criminosos no RJ.

Entre presos e detidos desde domingo (21), há, segundo a PM, 188 pessoas. No balanço de quatro dias há ainda um ferido, três PMs feridos sem gravidade, 30 armas apreendidas (entre pistolas e revólveres), além de 11 fuzis, duas espingardas, uma submetralhadora 9 mm e seis
granadas.


saiba mais

GALERIA DE FOTOSPÁGINA DE VÍDEOSMAPA DOS ATAQUESTambém foi encontrado muito material combustível para incendiar carros e grande quantidade de drogas. Só na Favela da Chatuba, na Penha, o Batalhão de Operações Especiais (Bope) apreendeu uma tonelada de maconha e sete fuzis.


Megaoperação na Vila Cruzeiro
Nesta quinta-feira (25), as polícias Militar e Civil realizam uma megaoperação na comunidade para prender criminosos que, segundo serviços de inteligência, deixaram comunidades pacificadas pelas chamadas UPPs, as Unidades de Polícia Pacificadora.

A ação da polícia é liderada pelo Bope, o Batalhão de Operações Especiais, que conta com pelo menos 150 homens e com o apoio da Marinha, que cedeu seis blindados. Uma hora depois do início da operação 200 policiais civis e mais três blindados da Marinha e quatro caveirões do Bope chegaram para dar reforço à ação.

Policiais do Bope retiraram um caminhão que bloqueava uma das ruas da favela. Mais cedo, um policial e um jovem, de 21 anos, ficaram feridos na região.

Desde domingo, o Rio de Janeiro vive uma onda de violência, com arrastões, veículos queimados e ataques a forças de segurança. Segundo o governo do Rio, é uma reação à política das UPPs, quando a polícia ocupa áreas antes dominadas por criminosos. Desde 2008, 13 dessas unidades foram instaladas na cidade

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Veja a cobertura completa da onda de crimes no Rio

Criminosos se unem contra as UPPs e fazem ataques à cidade.

...Uma onda de ataques violentos tomou conta do Rio de Janeiro nesta semana. A sensação de insegurança cresce entre a população desde o início da tarde do último domingo (21), quando homens armados com fuzis atearam fogo em dois carros na Linha Vermelha, sentido Centro, na altura da rodovia Washington Luís.

Até esta quarta-feira, dezenas de ônibus e carros foram queimadas e cabines policiais foram alvos de tiros, o que provocou transtornos no tráfego da cidade e interrupção de aulas em diversas escolas cariocas. Os ataques e arrastões, que se espalharam por cidades da Baixada Fluminense e atingiram também Niterói, seriam uma retaliação dos bandidos à criação das UPPs (Unidade de Polícia Pacificadora), que levaram o policiamento a várias comunidades cariocas antes dominadas pelo tráfico de drogas.

Como a onda de ataques criminosos e as operações da PM afetam seu dia-a-dia? Opine aqui

Veja a cobertura completa do caso:

25 de novembro

09h38 - Passageiros são obrigados a sair pela janela de ônibus incendiado em Rocha Miranda

09h13 - Policiais do Bope buscam alimento em quartel da Marinha

08h45 - Micro-ônibus é incendiado em Rocha Miranda, na zona norte do Rio

08h17 - Ataques a veículos no Rio diminuem efetivo de ônibus

07h57 - Garis encontram dinamites em lixeira em Madureira

06h45 - Onda de ataques continua e mais cinco veículos são queimados na madrugada

06h01 - Cúpula do tráfico na Penha se desentende durante operações

06h00 - Traficante ordenou onda de terror por temer que parentes sejam presos

04h57 - Estado de saúde de motorista baleado por bandidos é grave

02h11 - Mais dois carros são incendiados na zona sul do Rio

02h06 - Cinco suspeitos são presos com material para incendiar carros

01h47 - Carro é incendiado na Barra da Tijuca

00h13 - Jovem perde a mão quando preparava bomba caseira

00h00 - Mais dois ônibus são incendiados na região metropolitana



24 de novembro

23h50 - Rio teve 23 mortos desde segunda-feira, diz PM

22h40 - Bope apreende sete fuzis em operação na Penha

22h29 - Operações na Penha deixaram quatro inocentes mortos e outros 15 feridos

22h17 - Veículos são incendiados na zona norte e na baixada

21h58 - Dupla tenta incendiar dois ônibus na avenida Brasil

21h45 - Carro é incendiado na Tijuca

21h33 - Após confronto no Jacarezinho, policiais passarão a noite na favela

21h21 - Governador do Rio diz que cidade terá apoio da Marinha do Brasil

21h10 - Tiroteio no Jacarezinho muda horários de trens do ramal Belford Roxo

20h12 - Bandidos ateam fogo em ônibus em Anchieta

19h51 - Estado de prontidão da PM se estende para o interior do Estado

19h27 - Especialista em segurança pública diz que população deve defender UPPs

19h24 - Polícia Militar admite que chefe do tráfico pode ter sido baleado ou morto

19h17 - Polícia troca tiros com traficantes em Macaé, no norte fluminense

19h06 - Mais um ônibus é incendiado na região metropolitana

17h55 - Ataques no Rio já tem 21 mortos e 29 veículos queimados

17h51 - Onda de violência deixa mais de 17 mil sem aulas no Rio

17h22 - Ônibus e caminhão são incendiados em Manguinhos, na zona norte

17h09 - Quatro pessoas morrem atingidas por bala perdida na Penha, diz Secretaria de Saúde

16h59 - Criminosos incendeiam mais um carro em Cabo Frio, na região dos Lagos

16h35 - Boato de arrastão causa pânico no centro de Nova Iguaçu

16h27 - Governo Federal oferece 50 vagas em presídios para governo do Rio de Janeiro

16h19 - Associação critica convocação de todo o efetivo da PM para conter onda de ataques no Rio

16h15 - Justiça autoriza transferência de oito traficantes para Catanduvas (PR)

15h52 - Três carros são queimados em Cabo Frio

15h39 - Chega a 12 o número de mortos em confrontos com a PM

15h20 - Gerente do tráfico é preso no morro da Cotia

15h09 - Secretário de Segurança do Rio pede que população mantenha calma

14h48 - Posto da PM é metralhado no Jardim América

14h27 - Chefão do tráfico na Vila Cruzeiro pode ter sido baleado, diz PM

13h21 - Sobe para 11 número de mortos em confronto com a PM

12h59 - Onda de violência no Rio é destaque na imprensa internacional

12h53 - Quatro feridos em ataque a van incendiada em Santa Cruz recebem alta


12h09 - Caixas suspeitas de carregar bombas eram material de promoção, diz polícia

11h53 - Bombeiros são acionados para mais três incêndios a veículos na zona norte

11h44 - Dez bandidos morrem em confronto com a polícia e oito armas são apreendidas

11h25 - Cabral diz que convocação das Forças Armadas depende do secretário Beltrame

11h15 - Esquadrão Antibombas verifica granada em Caxias

11h13 - Pezão reitera discurso de força frente à série de ataques no Rio

10h57 - Polícia prende suspeito de ataque a ônibus

10h14 - Tiroteio no morro da Fé assusta moradores


09h42 - Ônibus e van são incendiados em Santa Cruz

09h26 - Mais um carro é incendiado no Rio

09h06 - Traficantes presos por ataques no Rio irão para Rondônia

08h53 - Suspeita de bomba em Ipanema assusta moradores

08h48 - Policiais não terão folga até situação na cidade estar controlada

07h58 - Ônibus é incendiado em Vicente de Carvalho

06h53 - Rio tem nova noite de terror, com veículos incendiados e cabine da PM atacada

06h00 - Chefão da Rocinha se reuniu com antigos rivais na Penha

04h01 - Mais dois carros e um ônibus são incendiados na madrugada desta quarta

02h27 - Três carros são queimados em Niterói e dois ônibus na Baixada Fluminense

00h08 - Cabine da PM é metralhada em Duque de Caxias

23 de novembro

23h17 - Carro é incendiado na avenida Paulo de Frontin

21h05 - Traficantes atacam PMs para protestar contra morte de comparsa

20h30 - PM faz operações em seis pontos do Rio para reprimir criminosos

20h25 - Traficantes chegaram a brigar na cadeia por divergir de ataques

19h26 - Tiroteio deixa um morto e dois feridos em Niterói

19h12 - Operações da PM e ataques de bandidos deixam cerca de 7.000 crianças sem aula

19h02 - Trens param por causa de tiroteio em Senador Camará

19h00 - Polícia apura ligação de roubo de explosivos e futuros ataques no Rio

18h51 - Balanço da PM informa que dez pessoas foram presas durante operações

17h24 - Operações da Polícia irão continuar à noite

17h05 - Beltrame pede a transferência de oito presos para outros Estados

16h24 - Nove são presos em resposta da polícia a ataques criminosos no Rio

16h10 - Lula diz que Ministério da Justiça vai ajudar o Rio a 'derrotar marginalidade'

15h17 - Suspeito é baleado em confronto na Penha

14h51 - PRF pode triplicar efetivo de combate à criminalidade no Rio

14h15 - Ataque em Madureira deixa um morto e dois feridos

12h54 - Disque-Denúncia já recebeu 55 ligações sobre ataques

12h31 - Cabral pede a Lula reforço no patrulhamento das estradas do Rio

12h29 - PM faz operação em 15 favelas

12h02 - PM prende homem que planejava incendiar carros

11h48 - Tiroteio na Vila Cruzeiro assusta moradores da Penha

11h18 - PMs são mortos a tiros em Araruama

11h16 - Traficantes são presos com crack e R$ 90 mil em Niterói

10h34 - Homem é baleado em ação da PM em Manguinhos

09h05 - Após ataques, PM anuncia reforço no policiamento

09h03 - Bandido morre e policial fica ferido em incursão da PM

08h11 - Policiais acham carro com dois mortos e um ferido na Washington Luiz

06h37 - Bandidos incendeiam carro no Estácio

22 de novembro

23h08 - Carros são incendiados na Dutra e bandidos atiram em cabine da PM na zona norte

22h15 - Acusado de tráfico de drogas é preso em São Gonçalo

21h04 - Polícia recolhe duas granadas no morro Santo Amaro

18h49 - Vítima de arrastão deste final de semana é enterrado

17h27 - Granada é apreendida em favela do Lins

17h08 - PMs trocam tiros e perseguem suspeitos na via Dutra

15h59 - Sucessão de ataques pode ter ligação com união entre facções

15h45 - Secretário de Segurança diz que não há como evitar onda de violência

13h07 - Policiamento será reforçado com auxílio de motocicletas após ataques a motoristas no Rio

12h08 - Bandidos atiram contra cabine da Polícia Militar em Irajá

11h30 - Cabral diz que ações de bandidos são retaliações à política de segurança do Estado

07h43 - Bandidos incendeiam três veículos no Trevo das Margaridas

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Central para Iniciantes

Central para Iniciantes

Como as redes de anúncios são selecionadas pelo Google?

Como as redes de anúncios são selecionadas pelo Google?

Mais um

Até quando?

Violencia no Rio

chega de tanta violencia

Rio de Janeiro vive mais uma noite de violência

Em Del Castilho, no subúrbio carioca, bandidos metralharam uma cabine da PM e um carro. Na Via Dutra, criminosos incendiaram dois veículos. Ataques semelhantes aconteceram também na Tijuca e no Estácio.
imprimir O Rio de Janeiro viveu mais uma noite de violência. Bandidos voltaram a atirar contra policiais e a incendiar veículos em vários pontos da cidade.

Em quatro horas, quatro ataques. E nem a polícia escapou. Nove da noite em Del Castilho, no subúrbio. Bandidos metralharam uma cabine da PM. Um carro também foi atingido. Os policiais saíram ilesos.

Logo depois, na via Dutra, na principal entrada da cidade, criminosos incendiaram dois carros, roubaram outros dois e fugiram em seguida.

Por volta de 23h, outro ataque assustou moradores da Tijuca, na Zona Norte. Testemunhas contaram que dois homens em uma moto jogaram gasolina e atearam fogo num carro, que ficou parcialmente destruído. A dona disse que uma vizinha viu tudo.

“Quando a chama subiu, ele falou para a vizinha: ‘Agora, você pode chamar o bombeiro’, que foi quando a vizinha começou a gritar”.

O quarto ataque da noite aconteceu na região central da cidade, no bairro do Estácio. O local escolhido foi uma rua tranquila. Segundo moradores, bandidos jogaram gasolina no teto e nos bancos e queimaram o veículo.

“Eu estava lá dentro da sala e eu escutei aquele estouro”.

Criminosos só não concluíram mais um ataque durante a madrugada porque um segurança de uma rua, em Copacabana, percebeu a movimentação. Os bandidos chegaram a colocar bombas artesanais embaixo dos carros, mas os explosivos falharam e eles acabaram presos.

São dois adultos que estavam acompanhados de dois menores. Segundo o delegado, os quatro moram no Morro Pavão Pavãozinho, que há quase um ano está com policiamento permanente, a chamada UPP.

Desde o meio-dia de domingo, já foram dez ataques em vários pontos do Rio e Região Metropolitana.

A Polícia Militar informou que dois carros da PM foram atingidos de raspão por tiros na tarde desta terça, na Penha, subúrbio do Rio

Quem acredita???

Onda de violência no Rio não afeta imagem da cidade, diz secretária a jornal.

Sede dos Jogos Olímpicos de 2016, o Rio de Janeiro vem enfrentando nos últimos dias uma onda de violência, com carros queimados por criminosos e arrastões em diversos pontos da cidade. Mas, para a secretária de Turismo, Esporte e Lazer do Rio, Márcia Lins, não há prejuízo à imagem internacional do palco da Olimpíada.

“Ninguém, fora a imprensa, veio me questionar sobre isso. A imagem do Rio no exterior é de uma cidade que avança. Além do mais, existe criminalidade em qualquer grande cidade do mundo”, justificou a secretária em entrevista ao diário LANCE!, durante a Soccerex, maior feira de negócios do futebol em todo o mundo.

Onda de violência chega ao quarto dia no Rio de Janeiro, cidade-sede da Olimpíada de 2016
Crédito da imagem: Agência Estado
“O impacto positivo é o que vem sendo sentido lá fora. A polícia tem de agir, os criminosos agem de forma específica. Um exemplo claro do êxito da política de segurança pública é o atual índice de violência de Copacabana, que está perto de zero”, continuou Lins.

Na última terça-feira, após o terceiro dia consecutivo de violência no Rio, a polícia reforçou seu efetivo em 16 comunidades e em várias regiões da cidade com mais 1.200 homens, além do Batalhão de Choque nas vias expressas.

Além de palco da Olimpíada de 2016, o Rio de Janeiro será o principal centro da Copa do Mundo de 2014 no Brasil. A decisão do Mundial acontecerá no Maracanã.
Fonte ESPN.com.br

Violência no Rio de Janeiro repercute em feira sobre futebol: "Não vejo problema nenhum"




Diretor da Liga Francesa de futebol sente-se "perfeitamente seguro" na capital carioca
Rodrigo Muzell rodrigo.muzell@zerohora.com.br
À primeira vista, não podia ser a pior hora para a cidade que receberá a final da Copa de 2014 lidar com carros incendiados na rua e ataques criminosos. Afinal, 2,5 mil empresários de futebol e dirigentes estrangeiros se reúnem, desde segunda-feira, no Forte de Copacabana na Soccerex, feira internacional de negócios da bola.

> Em vídeo, repórteres de ZH discutem a violência nos morros cariocas

Mas, enquanto carros pegavam fogo lá fora, dentro dos estandes o assunto não foi assunto. Os questionados, quando sabiam o que acontecia na Cidade Maravilhosa, mais perguntavam do que respondiam.

— Mas é sério mesmo? É pior do que o normal? — quis saber o analista de mídia sueco David Barrett.

Como era sério, a pergunta seguinte é óbvia: como fica a imagem da cidade que vai sediar os principais jogos da Copa em 2014 e uma Olimpíada em 2016?

— Não vejo problema nenhum. O engraçado sobre o Rio é que a gente escuta muitas histórias de violência antes de vir, mas, quando chega, se sente perfeitamente seguro — disse o diretor internacional da Liga Francesa de futebol, Redha Chibani.

Claro: participantes de um evento de negócios passam o dia em um pavilhão fazendo negócios. No máximo, pegam um táxi para sair à noite. Estão isolados e não estão sozinhos. Toda a Zona Sul vive em uma bolha de segurança desde que a polícia instalou UPPs nos morros próximos ao cartão-postal do Rio. Residentes de Copacabana e Ipanema já não se abalam tanto com as notícias da violência.

— Isso não é nada de extraordinário. Hoje fico aberto até a meia-noite como sempre — disse Adolfo Bruno, dono de uma livraria a duas quadras do local onde a polícia encontrou uma bomba debaixo de um carro, na madrugada de ontem.

Mas a tranquilidade é frágil. A dona de casa Ana Paula Carelli ficou de coração na mão porque seu filho pequeno foi, ontem pela manhã, em um passeio escolar perto da Zona Norte. A doméstica Fernanda de Abreu trabalha em Copacabana e mora em Mesquita, onde as UPPs não chegaram ainda. Resume o sentimento ante a violência:

— Tem dias em que a gente sai e reza para poder voltar para casa — diz.

Se a imagem do Rio lá fora já vem com o componente da violência embutido, a piora disso sim, pode prejudicar, temem representantes de turismo e hotelaria. Para a secretária estadual de Turismo, Márcia Lins, a resposta forte da polícia pode mostrar a imagem que a cidade quer passar aos interessados em vir ao Brasil: de que o combate ao poder paralelo do tráfico não vai parar

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Carro incendiado na zona sul do Rio teve curto-circuito

Inicialmente, a polícia acreditou que fogo teria sido provocado por criminosos
Anderson Ramos e Daniel Gonçalves, especial para o iG | 23/11/2010 11:25 - Atualizada às 13:38
Mudar o tamanho da letra: A+ A- Compartilhar: Um carro que pegou fogo nesta terça-feira na rua Paulo VI, em um dos acessos ao Morro Azul, no Flamengo, na zona sul do Rio de Janeiro, não foi alvo da ação de bandidos. O fogo foi provocado por um curto-circuito enquanto o proprietário mexia na mecânica do automóvel. Bombeiros do quartel do Catete foram acionados para combater as chamas.

Motoristas e moradores que passavam pelo local ficaram assustados, já que não sabia que se tratava de um incidente. Mesmo assim, uma viatura da Polícia Militar continua na rua. A PM ocupou o Morro Azul no mês de outubro, mas sem instalar Unidade de Polícia Pacificadora. A corporação usa como base um antigo prédio da prefeitura.

Hoje pela manhã, homens armados fizeram mais um arrastão na avenida Pastor Martin Luther King Júnior, sentido Del Castilho, na altura do bairro de Costa Barros, na zona norte do Rio de Janeiro. O bando fechou a via e roubou uma picape. Ninguém foi preso.


Leia também:
Bandidos fazem mais um arrastão e roubam carro no Rio
Criminosos fazem novos ataques no Rio de Janeiro
Após incendiarem carros, bandidos atiram em cabine da PM no Rio
"Quer morrer? Não? Então passa tudo o que tiver", ouviu dentista
Vítima de arrastão no Rio: “Minha vida acabou”
A onda de violência voltou a assustar a população na segunda-feira (22) à noite. Criminosos roubaram dois carros e incendiaram outros dois em um arrastão na rodovia Presidente Dutra, na pista sentido avenida Brasil, na altura do bairro de Pavuna, na zona norte do Rio de Janeiro. O crime aconteceu por volta das 22h. O caso foi registrado na 39ª DP (Pavuna).

Em outro ponto da cidade, bandidos atacaram a tiros uma cabine da PM na avenida Dom Hélder Câmara, perto do shopping Nova América, em Del Castilho, na zona norte. Um carro de passeio também foi atingido. Ninguém ficou ferido. Segundo a PM, um bando fortemente armado passou em alta velocidade e abriu fogo.

No Estácio, zona norte, um automóvel foi incendiado por criminosos. Policiais do 1º BPM (Estácio) foram acionados, mas ninguém foi preso. Outro veículo pegou fogo em uma ação de bandidos na Praça da Bandeira.

Onda de ataques no Rio

Desde domingo, uma onda de ataques tem causado pânico na cidade. Ontem pela manhã, pelo menos quatro homens armados com fuzis e pistolas, e usando coletes a prova de balas, fizeram um arrastão e atearam fogo em três veículos na rua Itapera, perto do Trevo das Margaridas, que faz a ligação entre a avenida Brasil e a rodovia Presidente Dutra, em Irajá, na zona norte do Rio de Janeiro. Dois carros de passeio e uma van foram incendiados. Segundo a PM, os donos dos automóveis foram assaltados e obrigados a abandonarem os veículos.

No domingo (21), criminosos assaltaram motoristas em três pontos da cidade do Rio de Janeiro. Em Laranjeiras, na zona sul da capital fluminense, um bando armado roubou um carro na rua Presidente Carlos Campos, próximo ao Palácio Guanabara, sede do governo. Eles conseguiram fugir levando pertences dos ocupantes do automóvel.

Motoristas foram atacados também na rodovia Presidente Dutra, na altura de Pavuna, na zona norte. Dois automóveis foram roubados. Policiais militares chegaram a trocar tiros com os bandidos, mas ninguém foi preso.

Na Lagoa, na zona sul, quatro criminosos fecharam a rua Bogari e assaltaram os ocupantes de pelo menos três carros que passavam pala via. Pertences e as chaves dos automóveis foram levados.

No início da tarde, dois carros foram incendiados na Linha Vermelha, na altura de Vigário Geral, na zona norte. Um veículo da Diretoria de Material do Comando da Aeronáutica (Comaer) foi alvejado por disparos de fuzil e também por uma granada. O sargento Renato Fernandes da Silva, que estava no veículo oficial, conseguiu fugir quando foi abordado pelos marginais.

Automóveis que circulavam pela via passaram a voltar na contramão na via expressa, que teria sido fechada por homens armados com fuzis. Três veículos teriam sido assaltados, mas a Polícia Militar não confirma a informação.

Leia mais sobre: arrastão • roubo de carros • incêndio • violência •

Criminosos realizam mais cinco ataques no Rio de Janeiro

Os criminosos voltaram a realizar arrastões na noite desta segunda-feira no Rio de Janeiro. Segundo a BandNews FM da capital fluminense, quatro carros foram incendiados e outros dois foram roubados em um curto período de tempo na zona norte do Rio. Uma base da Polícia Militar também foi atacada. Ao todo, foram registradas cinco ocorrências.
Na Tijuca, criminosos atearam fogo em um veículo na rua Domício da Gama. Os próprios moradores apagaram o fogo. A poucos quilômetros, no Estácio, bandidos em uma moto puseram fogo em um carro e abandonaram no local um galão de cinco litros de gasolina.
Um grupo de criminosos roubou dois carros e incendiaram outros dois na Rodovia Presidente Dutra, na altura da Pavuna. Foi a segunda ocorrência registrada na região em menos de 24 horas.
De acordo com informações da Polícia Rodoviária Federal, criminosos armados renderam os motoristas por volta das 22h, na pista sentido centro.
Além de carros incendiados, os bandidos também atacaram uma cabine do 3º Batalhão da Polícia Militar, após as 22h, em um acesso da avenida Dom Hélder Câmara à avenida Governador Carlos Lacerda (Linha Amarela), próximo ao shopping Nova América.

ATAQUES
Desde domingo, a Baixada Fluminense é alvo de constantes ataques de criminosos. Durante a noite, a cidade foi alvo de uma série de arrastões, que teve o saldo de uma pessoa morta, outra ferida e mais carros destruídos.

Logo pela manhã de segunda-feira, um grupo de bandidos ateou fogo a três veículos no Trevo das Margaridas, próximo a entrada de Irajá, na avenida Brasil.

Pouco tempo depois, bandidos atiraram em uma cabine da PM em Irajá, subúrbio do Rio de Janeiro. O ataque ocorreu na rua Monsenhor Félix. De acordo com o Batalhão de Policia Rodoviária do Rio de Janeiro, os homens atearam fogo, por volta das 6h30, em dois carros e uma van.

UPP

O governador do Rio da Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), afirmou que a série de arrastões e ataques de criminosos a motoristas é uma reação dos bandidos à política de ocupação das favelas com as UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora).

Segundo Cabral, a Secretaria de Segurança Pública não vai retroceder após os ataques. "Se esse é o desejo desses marginais, eles ficarão frustrados", esbravejou, ao falar em uma possível reação da polícia aos bandidos.

"Ainda temos diversas comunidades que servem, infelizmente, como escudo de proteção a esse tipo de ação marginal", enfatizou.


Redator: Fábio Mendes

terça-feira, 2 de novembro de 2010

RJ: polícia investiga se menina encontrada em lixeira conhecia o assassino

02 de novembro de 2010 • 05h51 Comentários

Um crime bárbaro chocou moradores do Morro da Providência, na Gamboa, Zona Portuária do Rio de Janeiro. A menina Camila Evangelista da Conceição, 9 anos, foi encontrada morta, na manhã de segunda-feira, sem roupas. Ela estava desaparecida desde a noite de domingo, quando andava de bicicleta na Rua Coronel Audomaro Costa, onde morava com os pais e seis irmãos, na localidade conhecida como Cajueiro. Segundo a polícia, há indícios de que a menina tenha sido estuprada.

Na hora em que Camila desapareceu, havia uma festa de vizinhos na rua. A menina foi morta com um objeto que a perfurou perto da clavícula e na altura da costela. O corpo estava na Ladeira Madre de Deus, próximo à Rua Camerino, por volta das 7h30, coberto com lençol branco e sob sacos de lixo. A polícia não descarta que ela tenha sido atraída por um conhecido, pois, segundo a família, a menina não tinha o costume de se afastar da rua de casa.

Busca pela madrugada
"Moro aqui há 20 anos e nunca soube de um tarado ou estuprador. Como alguém pode fazer uma maldade dessas?", lamentava o pai, o pedreiro desempregado José Carlos da Conceição, 59 anos. "Ela estava andando com a bicicleta de uma vizinha. Fui à janela algumas vezes, dar uma olhada na Camila. Os irmãos mais velhos estavam na festa. Por volta de 21h, pedi para um deles chamá-la, e ele não a encontrou", lembrou o pai. "Procuramos a madrugada toda na comunidade".

A família chegou ao local onde o corpo foi encontrado ao ser avisada por catador de lixo. Policiais não deixaram José Carlos se aproximar até a chegada dos investigadores da Delegacia de Homicídios (DH). Angustiado, ele andava pela rua de um lado para o outro. "Meu coração bate dizendo que é ela", desesperava-se.

"Ela foi para casa, tomou banho e prendeu o cabelo louro antes de ir para a festa. Ainda disse para ela não se afastar dali. Quando vi Camila ali caída, vi logo o cabelo bagunçado e o rosto inchado".

Policiais estão à procura de testemunhas e câmeras que possam mostrar Camila passando com alguém. A bicicleta não foi encontrada. Em dezembro, a família já havia perdido outro filho, de 5. O menino foi atropelado por uma van quando amarrava o tênis.

Mãe diz que coleguinha viu Camila
A mãe da menina, a dona de casa Maria do Carmo Evangelista dos Santos, 50, tentava não acreditar que pudesse ser a sua filha. Na delegacia, ela disse que ficou um pouco na festa e que se separou da menina para ir comprar cigarros.

"Mandei ela devolver a bicicleta e ir para casa. Cheguei lá e ela demorou muito. Uma amiguinha disse ter visto Camila passando de bicicleta pela Rua Barão de São Félix, à meia-noite. Fui até lá e ainda pensei que ia dar uma palmada nela pelo susto, mas não a encontrei", disse, abalada.

O pedreiro José Carlos reconheceu o corpo apenas às 10h50. Como a menina estava muito ensanguentada, bombeiros ainda limparam o rosto de Camila, para que o pai pudesse vê-la. A mãe, três irmãos e vizinhos esperavam a resposta na esquina.

Polícia investiga ligação entre arrastões no Rio de Janeiro

Oito pessoas foram assaltadas na tarde dessa segunda-feira em um arrastão na Rua Faro, no Jardim Botânico, Zona Sul do Rio. Foi o segundo ataque semelhante no local em pouco mais de um mês. Quatro criminosos armados - um deles com uma submetralhadora - fecharam a via com um Corolla e renderam sete pessoas que estavam em três carros e uma mulher que saía de um prédio. Eles roubaram pertences das vítimas e, para impedir que fossem perseguidos, levaram as chaves dos carros.

Um produtor de eventos que se identificou apenas como Pedro foi o primeiro a ser assaltado, por volta das 14h. Ele estava com três amigos no carro. "Os bandidos passaram por nós na Rua Benjamin Batista (acesso à Rua Faro) em alta velocidade. Estranhei. Mais adiante, atravessaram o carro na minha frente. Três desceram e começaram o assalto. Depois voltaram para o meu carro e ainda roubaram mochila e celular".

Uma jovem chamada Natália e o namorado Wilker Benedeti, 28 anos, contaram que foram seguidos pelo Corolla desde a Cobal, no Humaitá, até o Jardim Botânico. "Mas só vimos que eram bandidos quando nos assaltaram. Entregamos tudo", disse Wilker. "Vi as pessoas saindo do carro e bandidos armados. Foi horrível. Não desejo isso para meu pior inimigo", disse Natália, que mora em Valença, Sul Fluminense. "Não estou acostumada com isso". Como a chave reserva ficou em Valença, o carro teve que ser rebocado até a cidade.

Uma professora de Literatura da UFRJ, que se identificou como Daniele, estava sozinha no carro. "Vi as pessoas abrindo as portas dos carros, abri a minha também e entreguei a bolsa", contou ela. Uma mulher, que preferiu não dizer o nome, saía de um prédio quando foi abordada. "Joguei minha mochila no chão. Graças a Deus estou viva", contou ela.

"O bairro sempre foi tranquilo, mas agora as pessoas têm medo de sair de casa. Estamos reféns da violência", reclamou o aposentado Geraldo Azevedo, morador da redondeza há 37 anos.

Crimes podem ter ligação
Na 15ª DP (Gávea), as vítimas não reconheceram os bandidos que foram mostrados no álbum. Mas a delegada assistente, Soraia Santana, investiga se eles são do mesmo grupo que fizeram arrastão em agosto na Rua Jardim Botânico.

Segundo ela, as características descritas pelas vítimas são as mesmas dadas pelas pessoas assaltadas na ocasião anterior. "A maneira como agiram também é parecida", contou ela, que vai pedir as gravações das câmeras de prédios da Rua Faro e da CET-Rio para tentar identificar os criminosos. "A rota de fuga deles é sempre o Túnel Rebouças. Vamos ver se há imagens da ação".

Bandidos são identificados
Na segunda-feira, após o assalto, uma patrulha do 23º BPM (Leblon) ficou na Rua Faro. O Jardim Botânico tem sido alvo de ações de assaltantes. A 15ª DP (Gávea) já identificou pelo menos dois bandidos que participaram do arrastão na Rua Faro em 29 de setembro: Ronaldo Grasso e Beethoven Ramalho, do Catumbi. Eles estão com a prisão decretada. Um outro bandidos foi identificado como Bruno.

Em agosto, o ataque foi entre as ruas Conde Afonso Celso, Oliveira Rocha e a Avenida Lineu de Paula Machado. Cinco pessoas foram vítimas. Dia 28, a associação de moradores fez reunião com o conselho de segurança pedindo mais policiamento nas ruas Faro e nas esquinas das ruas General Garzon e Jardim Botânico.

Mais notícias de Polícia »

Polícia prende suspeito de matar criança

Marcas de sangue, que poderiam ser da vítima, foram encontradas na casa dele

Policiais da Divisão de Homicídios prenderam nesta terça-feira (2) um homem suspeito de ter assassinado Camila Evangelista da Conceição, de 7 anos. A menina foi encontrada morta na manhã de segunda-feira (1º), em meio a sacos de lixo, na Ladeira Madre de Deus, em um dos acessos ao morro da Providência, no bairro Santo Cristo, na região central do Rio de Janeiro.

Os agentes foram até a casa do suspeito nesta manhã, na rua Coronel Aldomaro Costa, na Gamboa, próximo à comunidade. No local, havia marcas de sangue. Ele foi preso e levado para a Delegacia da Praça da República (4ª DP), no Centro.

O corpo da criança será enterrado nesta terça-feira (2), ao meio-dia, no cemitério da Cacuia, na Ilha do Governador, na zona norte do Rio de Janeiro.

De acordo com policiais, Camila estava sem roupa e tinha um corte no pescoço e seu corpo teria sido deixado em meio a sacos de lixo. A polícia investiga se a menina sofreu violência sexual.

A criança estava desaparecida desde a noite de domingo (31), quando participou de uma festa na favela, onde morava com a família. Os pais estiveram no local e reconheceram o corpo da menina. O pai contou que passou a madrugada à procura da vítima.

A polícia não acredita que Camila tenha sido morta no local onde o corpo foi encontrado, que é usado por moradores como depósito de lixo.